Olá, hoje meu post é referente a diferentes estudos realizados por acadêmicos dos Cursos de Nutrição, Odontologia, Pós Graduação em Odontologia e profissionais Doutores em Odontologia, estes estudos avaliaram o pH de diversas bebidas e alimentos consumidos nos dias de hoje e sua relação com a capacidade erosiva no esmalte dos dentes e/ou saúde bucal.
No estudo realizado pelos acadêmicos do curso de nutrição “observou-se que a maioria das bebidas industrializadas mais consumidas pela população trata-se de bebidas ácidas que podem vir a causar desordens metabólicas e orais”.
“Os hábitos alimentares da população tem-se modificado gradualmente ao longo dos anos, de modo que, a alimentação vem sendo guiada pela comodidade e pela forma de apresentação dos produtos, tendo pouca importância seu valor nutricional”.
“Essa postura vem trazendo consequências em todo o organismo”.
No estudo realizado pelos acadêmicos do Curso de Pós Graduação em Odontologia, eles observam que, as bebidas analisadas apresentaram baixo pH endógeno (isto é, reações que ocorrem no próprio organismo), abaixo de 2,03 e 2,93, podendo as mesmas serem consideradas potencialmente erosivas aos tecidos dentais se consumidas de modo inadequado e com elevada frequência. “Devido ao fato de potencial hidrogenionico (pH) crítico do esmalte dentário ser  5,5, qualquer solução com pH inferior a esse poderá causar erosão....”
“A grande variedade, o fácil acesso, o baixo custo e a comodidade são fatores que levam a população a um consumo acentuado de bebidas industrializadas de possível caráter acido o que favorece a solubilização da hidroxiapatita (constituinte natural dos ossos e dentes) e a consequente desmineralização”.
No estudo feito pelos profissionais em Odontologia, eles observaram que “os néctares mistos de frutas industrializados destinados ao público infantil avaliados são potencialmente erosivos (pH entre 3,50 e 3,80). Permitindo sugerir que, se consumidos com frequência, estas bebidas podem contribuir para o desenvolvimento de erosão dental. Diante disso, o profissional da área da saúde deve orientar seu consumo racional”. 
Uma pesquisa realizada com intuito de avaliar as práticas alimentares e suas consequências na saúde bucal de lactentes de 4 meses a 1 ano, observou que os alimentos mais consumidos são refrigerantes, café, açúcar, achocolatados, biscoitos recheados e bolachas, de acordo com os resultados, o consumo de líquidos apresentam pH reduzido.
De acordo com os pesquisadores, “os dados dos estudos evidenciam grande preocupação em relação ao padrão alimentar infantil, uma vez que o aleitamento materno está abaixo do recomendado e a introdução de alimentos não está adequada, havendo grande quantidade de açúcares e bebidas com pH inadequado, pH entre 2,29 e 3,30), o que pode refletir em doenças dentárias, além de obesidade e doenças associadas”.
São inúmeros os trabalhos publicados sobre a ingestão de alimentos e bebidas ácidas, isto é, com pH abaixo de 6, no impacto da saúde de adultos e crianças, gerando a necessidade cada vez maior de observarmos o valor do pH dos alimentos e bebidas que ingerimos. 
O que podemos observar com estes estudos é que os Profissionais da área da saúde, não recomendam ingerir bebida com pH abaixo de 5,5 pois estes pode causar erosão no esmalte dos dentes, da mesma forma avaliando a Portaria 2914 de Dez/2011 do Ministério da Saúde a recomendação para o consumo de água, é que o pH ideal esteja entre 6 e 9,5, neste caso a água alcalina é muito bem recomendada como substituto dessas bebidas. 
Procure fazer escolhas alimentares saudáveis, prática de atividades físicas e consulte sempre seu médico e nutricionista.
Lislaine Maciel
Nutricionista - CRN8-6038

Referencias
http://www.nutricaoempauta.com.br/lista_artigo.php?cod=2325, acessado em 10/02/2014.
http://revistas.unipar.br/saude/article/viewFile/4090/2542 acessado em 12/02/2014.
http://www.scielo.br/pdf/rbme/v16n6/a12v16n6.pdf, acessado em 12/02/2014.
http://www.umc.br/_imgs/xvi_congresso/artigos/Isabel%20do%20Nascimento.pdf, acessado em 12/02/2014.
http://www.univag.edu.br/adm_univag/Modulos/Connectionline/Downloads/Potencial_erosivo_dos_nectares.pdf acessado em 15/02/2014.
CAVALCANTI, A.L.;ET.AL.; Avaliação in vitro do potencial erosivo de bebidas isotônicas. Rev. Bras. Med. Esporte vol.16 no. 6 Niterói Nov./Dec. 2010.

CORREA, Alessandra Marques,;Et.al.A influência do pH de frutas,bebidas e condimentos na hipersensibilidade cervical. Robrac,vol.11-no 32/2002.

FURTADO, Juliana Resende; FREIRE, Valéria Costa; MESSIAS, Danielle Cristine Furtado e TURSSI, Cecilia Pedroso. Aspectos físico-químicos relacionados ao potencial erosivo de bebidas ácidas. RFO UPF [online]. 2010, vol.15, no.3, pp. 323- 328.

GURSKI, Richard Ricachenevski et al. Manifestações extra-esofágicas da doença do refluxo gastroesofágico. J. bras. pneumol. [online]. 2006, vol.32, no.2, pp. 150-160.

MOTTA, Valter T,; Bioquímica Clínica: Princípios e Interpretações,2009. Edição 5.Ed.Medbook editora científica.